E=mc²

A matéria é um estado da energia e a energia um estado da matéria... [sophie]

quinta-feira, março 23

Testes com Utilizadores e Avaliação Heurística [versão 2.0]

Método não empírico de avaliação ao site do USA Today.com

0.1 Visibilidade

Os utilizadores ao navegarem no site vão obtendo feedback conforme as suas acções. Num site como o do USA Today.com (ou outro que tenha como principal objectivo difundir notícias) este facto é bastante importante. Além de manter o utilizador informado sobre o estado do sistema, também lhe indica se a informação está ou não a ser processada, levando a que o utilizador não perca muito tempo em indecisões. Salienta-se que o factor tempo é tido muito em conta no mundo do jornalismo. Desta forma, o site não “gela” perante as acções do cibernauta, apresentando feedback à navegabilidade do utilizador.

Este feedback é transmitido por vários meios – como a entrada dos menus e dos títulos das notícias em primeiro lugar, seguindo-se as imagens, como também da utilização do cursor do rato para indicar que a tarefa está a ser processada. Em algumas áreas do jornal online, como a secção de notícias da actualidade (“News”) e de economia (“Money”), por vezes, é apresentada uma página de publicidade ou um inquérito, antes do utilizador ser redireccionado para a página pretendida. No que pude comprovar, a publicidade era relativa a um produto de limpeza, e esta página só era apresentada durante alguns segundos, dando a possibilidade do utilizador poder clicar num link para ser reencaminhado para a sua página pedida. Por seu lado, no inquérito esta opção não é válida, pelo que o utilizador tem de responder a três perguntas caso queira continuar a ler o jornal. Este facto de páginas intermédias corta a linearidade da navegação, uma vez que o leitor não pode fugir nem sabe quando é que estas páginas vão surgir.

No caso do USA Today.com é dado feedback ao utilizador ao longo do percurso da sua navegação. Portanto, o leitor é informado se o sistema está ou não a processar a informação que o primeiro inseriu, fazendo com que o leitor não se sinta perdido nem perca a vontade de continuar a explorar o site, evitando que fique na expectativa do que está a acontecer. O facto de um pedido de uma página por parte do utilizador seja inter-cortado por uma página que o utilizador não pediu, pode levar a que o utilizado interprete esta acção como um erro do sistema e cancele o seu pedido.

0.2 O sistema e o mundo real


O site do USA Today.com está apresentado como a primeira página do jornal impresso, com uma zona para a reportagem do dia, os destaques para as notícias principais, assim como indicativos importantes do dia-a-dia e publicidade. A divisão por secções à partida torna a navegação mais intuitiva, aproximando o jornal electrónico ao impresso pela divisão em suplementos, cada um identificado por uma cor. Contudo, e como se pode comprovar com os testes a utilizadores, esta informação não está explícita, já que os utilizadores não conseguiram ligar uma matéria com as áreas fornecidas. Por outro lado, todas as páginas apresentam muita informação e muito concentrada, o que dificulta a navegação. Este facto torna-se muito confuso para que um utilizador consiga procurar informações específicas – a ordem não é natural porque a ordem de disposição é confusa, perdendo um fio condutor e uma lógica organizativa.

Neste caso, o USA Today.com contém muita informação, o que dificulta a gestão dos conteúdos. Com este factor presente, a organização que seria lógica por secções torna-se impraticável em alguns aspectos. As divisões são muitas e são várias as notícias que tocam mais que duas áreas. Logo, a procura de informação complica-se e um utilizador que não se sinta muito à vontade a navegar na Internet ou que não esteja habituado a visitar sites noticiosos do género, cedo se perde, dissipando-se a vontade de continuar a navegar.

Desta forma, pode-se dizer que o website do USA Today.com cria uma ligação com o mundo real ao aplicar o mesmo tipo de divisão temática que a versão impressa. O leitor habitual do jornal pode não ter grandes dificuldades de navegação, mas um navegador esporádico já encontra bastantes. Como ficou comprovado nos testes, o utilizador comum tem dificuldade em encontrar informações específicas de um determinado tema. Tendo em conta que uma boa ligação entre o sistema e o mundo real minimizam a necessidade de um conhecimento extra para utilizar o sistema, este website está bastante em falta para um utilizador comum, em parte pelo excesso de informação produzida pelo jornal.

0.3 Liberdade e controlo do utilizador

No que concerne a este princípio estabelecido por Nielson e Molich (1990), a usabilidade de um sistema passa também por definir a liberdade que é permitida ao utilizador ao navegar no site – se pode fazer o que quer quando quer.

Em termos de navegação, o utilizador tem liberdade de escolha entre as várias opções. Contudo, por vezes as suas opções são interrompidas por páginas de redireccionamento com publicidade e não há uma única página que permite o retrocesso através de uma opção na página. Caso o utilizador pretenda regressar a páginas anteriores só o pode fazer através do botão de retroceder do browser ou ao clicar nas opções do menu, indo para a página inicial de cada secção.

Este princípio não se verifica sequer na opção de pesquisa, já que ao errar numa procura o utilizador não pode voltar atrás e, ao fazê-lo através do browser, perde todas as informações que inseriu.

Como o erro é muito fácil de cometer numa página do USA Today.com, pois estão repletas de informação, tanto interna como externa, os aspectos de apoio ao utilizador tornam-se muito importantes. A falta destes demonstra uma lacuna grave na usabilidade do site.

0.4 Consistência e Standards

Os elementos de design são importantes factores para que o utilizador interiorize acções e que depois as consiga reproduzir em contextos diferentes mas com objectivos similares. No site do USA Today.com, os standards estão bem presentes e funcionam perfeitamente.

Ora, um utilizador ao clicar num determinado botão tem como princípio que vai para a àrea correspondente a esse botão e não para outra. Outro exemplo é o caso da publicidade estar separada da informação noticiosa, logo, o leitor sabe que ao clicar numa publicidade vai para uma página distinta das do jornal.

Assim sendo, há uma consistência visual e funcional em todo o site. Os utilizadores sabem que ao clicares num determinado campo são redireccionados para a página correspondente a esse campo. A página apresenta vários menus, meio de navegação já muito conhcido aos cibernautas, em parte por experiências anteriores.


0.5 Prevenção de erros


O website do USA Today.com condensa muita informação em cada página. Esta condensação leva a que o utilizador cometa erros facilmente. Um bom design deve ter em conta este facto e tentar evitar que os erros aconteçam.

Um bom exemplo do USA Today.com é a identificação de cada secção do jornal no menu por cores. Isto facilita a memorização, e um leitor que esteja habituado/familiarizado com a versão impressa facilmente se consegue movimentar no site. Contudo, como a informação chega a estar muito condensada, um utilizador pode enganar-se e confundir a informação visualizada. Por exemplo, pode confundir a informação noticiosa da publicidade. Outro exemplo é o caso dos menus. É apresentado um menu principal, com divisões por cores e áreas. Todavia, logo a seguir, há um outro menu não de áreas, mas de funcionalidades do site e do jornal (como o arquivo das notícias, os blogs, o dia em fotografias), ou seja, opções que não têm directamente a ver com a matéria noticiosa produzida.

Um utilizador ao cometer um erro pode facilmente cair em frustação e abandonar o site. Em primeiro lugar, porque ninguém gosta de cometer erros. Se os erros forem sucessivos o utilizador cedo se cansa do site. Em segundo lugar, porque ao cometer mais que um erro (ou um erro até, supondo que seja um utilizador surfista, que esteja a navegar no site por prazer, por exemplo), o cibernauta tem de aguentar o tempo de resposta do sistema, que será tanto maior, quanto mais lento for o processador do seu computador ou da sua ligação à Internet.